Vantagens das construções pré-fabricadas

Vantagens das construções pré-fabricadas

Impulsionada pela escassez de mão de obra e pela necessidade de racionalizar recursos, a construção civil brasileira vivenciou, nos últimos anos, avanços no uso de pré-moldados e pré-fabricados de concreto, especialmente em obras em que o prazo de execução é fator determinante. Normas publicadas, oferta de equipamentos para movimentação das peças e, principalmente, a maior familiaridade de projetistas e construtores com os sistemas construtivos industrializados foram decisivos para que se chegasse ao estágio atual de desenvolvimento. Algumas construtoras, por sua vez, passaram a identificar nos elementos pré-moldados aliados importantes para manter o controle sobre os seus custos, bem como para manter suas obras no prazo.

Para a engenharia, outro aspecto que vai de encontro do maior uso de estruturas pré-fabricadas é a sustentabilidade

A construção civil brasileira é uma intensiva geradora de resíduos. São, em média, 550 kg/ano/habitante, conforme dados do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). “Nesse sentido, substituir processos artesanais por componentes produzidos na indústria e que são apenas montados nos canteiros é imperativo, da mesma forma que inovar seguindo as três dimensões da sustentabilidade (econômica, social e ambiental)”, defende a presidente-executiva da ABCIC.

“Hoje soluções como lajes alveolares e painéis arquitetônicos de fachada estão plenamente assimiladas em projetos de grande porte mais horizontalizados, como aeroportos, arenas esportivas, shoppings e centros comerciais”, comenta o engenheiro Eduardo Millen, conselheiro da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural (ABECE). A inserção dos pré-moldados, contudo, é menos significativa em obras de edifícios residenciais e comerciais altos. Segundo Millen, isso acontece porque o pré-moldado é mais competitivo quando há repetitividade, ou seja, quando há vãos padronizados e sobrecargas constantes, o que raramente acontece em edificações residenciais.

Compartilhar este post